Informação sobre osteoporose, causas, sintomas e tratamento da osteoporose, identificando o diagnóstico associado à osteoporose e contribuindo com dicas de alimentação e atividade física que permitam a sua prevenção ou promovam o seu tratamento.


sábado, 27 de setembro de 2014

Impacto médico da osteoporose

As fraturas e suas complicações são as relevantes sequelas clínicas da osteoporose. As fraturas mais comuns são as de vértebras (coluna), fêmur proximal (quadril) e antebraço distal (punho). No entanto, a maioria das fraturas em idosos são em parte devidas à baixa massa óssea, mesmo quando resultam de trauma considerável. As fraturas podem ser seguidas de recuperação completa ou dor crônica, incapacidade e morte.
Estas fraturas podem também causar sintomas psicológicos, principalmente depressão e perda de auto-estima, como no caso dos pacientes que lidam com a dor, limitações físicas e de estilo de vida, assim como os que lidam com mudanças cosméticas. Ansiedade, medo e raiva também podem retardar a recuperação. A alta morbidade e consequente dependência associada com estas fraturas prejudicam os relacionamentos interpessoais e o papel social nos pacientes e suas famílias. 
Em particular, as fraturas da anca resultam em 10 a 20 por cento de mortalidade dentro de um ano; adicionalmente, fraturas da anca estão associadas com um risco 2,5 vezes maior de fraturas futuras. 
Aproximadamente 20 por cento dos pacientes com fratura de quadril requerem cuidados de longa duração com repouso em casa, e apenas 40 por cento recupera plenamente o seu nível pré-fratura de independência.
A mortalidade também é maior após fraturas vertebrais, que causam complicações significativas, incluindo dor nas costas, perda de altura e cifose. As alterações posturais associadas a cifose podem limitar a atividade, incluindo flexão e alcance. Múltiplas fraturas torácicas podem resultar em doença pulmonar restritiva e fraturas lombares podem alterar a anatomia abdominal, levando à prisão de ventre, dor abdominal, distensão, redução do apetite e saciedade precoce. Fraturas de pulso são globalmente menos incapacitantes, mas podem interferir com as atividades específicas da vida diária, tanto quanto fraturas no quadril ou fraturas vertebrais.

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Extensão do problema de osteoporose

A osteoporose é a doença óssea mais comum em seres humanos, e representa um grande problema de saúde pública.
A osteoporose é caracterizada por baixa massa óssea e deterioração do tecido ósseo e ruptura da arquitectura óssea, resistência óssea comprometida e um aumento no risco de fratura. De acordo com a classificação de diagnóstico da Organização Mundial de Saúde (OMS), a osteoporose é definida por DMO da anca ou da coluna vertebral inferior ou igual a 2,5 desvios padrão abaixo da população média normal jovem de referência.. A osteoporose é um resultado intermediário para fraturas, sendo um fator de risco para fratura, assim como a hipertensão é para o acidente vascular cerebral. No entanto, a maioria das fraturas, ocorrem em doentes com baixa massa óssea, em vez de osteoporose. 
A osteoporose afeta um número enorme de pessoas, de ambos os sexos e todas as raças, e sua prevalência aumenta à medida que a população envelhece. Com base em alguns dados disponíveis estima-se que mais de 10 milhões de americanos têm osteoporose e um adicional de 33,6 milhões têm baixa densidade óssea do quadril.
Cerca de uma em cada duas mulheres caucasianas experimentará uma fratura relacionada à osteoporose em algum momento de sua vida, assim como cerca de um em cada cinco homens.

terça-feira, 29 de julho de 2014

Osteoporose, uma doença silenciosa

Osteoporose é uma doença silenciosa, até que surgem complicações causadas por fraturas (fraturas que podem ocorrer após um trauma mínimo). Essas fraturas são comuns e colocam um enorme fardo do ponto de vista médico e pessoal sobre o envelhecimento dos indivíduos, tornando-se num grande custo econômico.
A osteoporose pode ser impedida e pode ser diagnosticada e tratada antes que ocorra qualquer fratura. É importante ressaltar que, mesmo após a ocorrência da primeira fratura, existem tratamentos eficazes para diminuir o risco de novas fraturas. Prevenção, deteção e tratamento da osteoporose devem ser uma preocupação de prestadores de cuidados de saúde primários. Ao longo do tempo têm-se tornado cada vez mais claro que muitos pacientes não estão tendo acesso a informação adequada relativamente às formas de prevenir a osteoporose; e muitos pacientes não estão a ser sujeitos a testes apropriados para diagnosticar a osteoporose ou estabelecer o risco de osteoporose; e, uma vez diagnosticada (por testes ou pela ocorrência de uma fratura), muitos pacientes, não estão a ser alvo de qualquer uma das terapias eficazes que podem melhorar a condição de osteoporose. 

SINOPSE DAS RECOMENDAÇÕES IMPORTANTES PARA O MÉDICO
Algumas recomendações referem que deve haver maior atenção médica sobre mulheres na pós-menopausa e homens com 50 anos ou mais, e incluem:
• Assessoria sobre o risco de osteoporose e fraturas relacionadas.
• Verificar a existência de causas secundárias.
• Aconselhar sobre quantidades adequadas de cálcio (pelo menos 1.200 mg por dia) e vitamina D (800-1.000 UI por dia), incluindo suplementos se necessário, para os indivíduos com 50 anos ou mais.
• Recomendar exercícios regulares de fortalecimento muscular para reduzir o risco de quedas e fraturas.
• Recomendações para evitar o tabagismo e consumo excessivo de álcool.
• Em mulheres com 65 anos ou mais e homens de 70 anos ou mais, recomendar teste de densidade mineral óssea (DMO).
• Em mulheres e homens com idades entre 50 e 69 anos, pós-menopausa, recomendar testes BMD, quando existe preocupação com base em seu perfil de risco.
• Recomendar testes BMD para aqueles que tiveram uma fratura, para determinar grau de gravidade da doença.
• Iniciar o tratamento em pessoas com fraturas no quadril ou coluna vertebral (clínica ou morfométrica).
• iniciar a terapia em pacientes com niveis DMO inferiores ou iguais a -2.5 no colo do fémur ou na coluna vertebral por dupla energia de raios-X, depois de adequada avaliação. 
• Iniciar o tratamento em mulheres na pós-menopausa e homens com 50 anos ou mais velhos com baixa massa óssea no colo do fémur ou da coluna vertebral.
• Promover opções farmacológicas para a prevenção da osteoporose  e/ou tratamento que incluem bisfosfonatos (alendronato, ibandronato, risedronato e ácido zoledrônico), calcitonina, estrógenos e/ou hormonioterapia, paratireóide hormonal (teriparatida) e estrogênio agonista / antagonista (raloxifeno).

sábado, 28 de junho de 2014

Dicas para prevenir osteoporose

Existem algumas formas de prevenir a ocorrência de osteoporose. Assim, deixamos aqui algumas dicas para que você possa evitar a sua ocorrência:

- Partindo do principio de que os alimentos que são fontes de cálcio são o leite e alguns de seus derivados como os iogurtes e queijos, é importante que você consuma diariamente uma combinação destes alimentos, que deve corresponder entre duas a três porções.
- Quando a utilização de alimentos à base do leite é limitada, procure consumir soja, agrião, couve-manteiga, brócolis, espinafre, castanha-do-pará, aveia, avelã, gergelim, amêndoa, peixes, sardinhas e carne vermelha.
- Existem recomendações de instituições de saúde que costumam recomendar a exposição solar logo pela manhã, antes das 10 horas ou à tarde, depois das 16 horas, para garantir uma quantidade recomendável de vitamina D e se for o caso permitir a eliminação das bebidas alcoólicas ingeridas, assim como eliminaçãodo fumo.
- O aumento da atividade física é importante, já que esta ajuda a manter de modo saudável a massa óssea.

Índice dos artigos relativos a Osteoporose

ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL